Blog

  • Quais cuidados devemos ter com os idosos durante o inverno?

    Manter os ambientes ventilados e os idosos aquecidos é fundamental para a prevenção de gripes e resfriados; alimentação e prática de exercícios físicos também influenciam

    Com a chegada do inverno e as temperaturas caindo, é preciso manter uma série de cuidados para estar com a saúde em dia. No caso dos idosos, essas medidas devem ser redobradas. Com o organismo mais debilitado e o sistema imunológico mais frágil, a incidência de doenças respiratórias e resfriados tende a aumentar durante o clima frio na terceira idade.

    “A chegada do inverno é sempre uma época difícil para o idoso,” afirma Paula Gomes Loyola, diretora da SeniorOnline, especialista em Gestão Geriátrica pela Business School Barcelona (EADA). “Se ele tem artrite, por exemplo, no inverno essas dores costumam acentuar mais, o corpo fica mais rígido. Se tem uma bronquite asmática, o ar frio da manhã também pode fazer mal. Então essas coisas acabam sendo acentuadas durante a estação”.

    Desta forma, Paula destaca que os cuidados devem ser ainda maiores, seja no momento do banho ou nas trocas de roupa e fraldas, para que haja uma proteção do ambiente que está sendo utilizado. “Secar o cabelo, vestir roupas quentes e usar cobertas são questões básicas. Além disso, deve-se pensar no aquecimento do ambiente, sem abusar do ar-condicionado, já que o ressecamento provocado por ele propicia problemas pulmonares. Ao mesmo tempo, é fundamental que os locais não fiquem completamente fechados, para possa haver a entrada e circulação do ar”.

    Os banhos de sol também são grandes aliados para a época. Alguns minutos por dia, durante o fim da manhã e depois do almoço, são suficientes para que o idoso se sinta protegido e receba as vitaminas necessárias para manter uma rotina saudável. Além disso, reduzir alguns costumes também faz toda a diferença. “A continuidade dos banhos pode ser diminuída nas baixas temperaturas, assim como a lavagem dos cabelos, não há necessidade que sejam diárias. Isso tudo é importante para diminuir os riscos de pegar um resfriado”, explica Loyola.

    Por outro lado, vale ressaltar que manter o corpo quente vai além de vestir roupas e cobertores, apenas. Os exercícios físicos, assim como uma alimentação mais calórica, também atuam diretamente no aquecimento do organismo. “Numa casa de repouso, por exemplo, é comum que tenham sessões de fisioterapia pensados para a época. Assim, são trabalhados movimentos repetitivos e lentos, que vão, aos poucos, aquecendo o corpo e dando mobilidade”, afirma Paula.

    Já para as refeições, a recomendação é abusar das sopas e apostar em alimentos mais energéticos, como a batata, por exemplo. “A alimentação deve ser mais quente, a fim de que o corpo receba mais aquecimento, e o mesmo vale para os líquidos, como chás, café com leite ou achocolatados quentes”. Em relação a passeios e saídas durante o inverno, a especialista ressalta que não existe uma recomendação única e que, por isso, deve-se pensar no perfil de cada idoso. “Se o idoso é saudável, tem uma boa mobilidade ou condição física, ele pode fazer normalmente suas atividades, sair de casa, mesmo em dias frios. Basta se proteger bem, usando casacos, gorros e luvas. O idoso com enfermidades, por outro lado, precisa sim repensar a necessidade de sair de casa” complementa.

    Leia mais
  • SeniorOnline fecha parceria com Human Care Brasil

    SeniorOnline fecha parceria com Human Care Brasil,

    e-commerce de produtos e equipamentos para saúde do idoso

    Associação visa ampliar o leque de serviços direcionados para os cuidados com os idosos, e fortalecer a comunicação das empresas voltadas a este público específico

    Conectar negócios e cruzar objetivos. Com a finalidade de oferecer qualidade de vida aos idosos ou pessoas com alguma limitação — seja ela temporária ou permanente — a SeniorOnline, plataforma gratuita de pesquisa de casas de repouso em Curitiba, e a Human Care Brasil, empresa que oferece produtos para quem precisa de atenção à saúde, uniram forças para reforçar a imagem de serviços que são fundamentais para o setor. “O mercado precisa de empresas como as nossas, que mostram que existem profissionais sérios para esse público”, afirma Fernando Dondeo, sócio proprietário da Human Care. “Há uma sinergia de propósito que nos permite aproveitar a força de cada uma das plataformas. Assim, ampliamos a oferta de produtos e serviços para o mercado e chamamos, cada vez mais, a atenção da opinião pública para os cuidados especiais que os idosos necessitam”.
    O encontro se deu por meio do contato diário com um dos públicos em comum de ambas as empresas: os idosos. Desta forma, além de desenvolver soluções para ampliar a qualidade de atendimento, a parceria tem como objetivo aumentar a visibilidade para as marcas, reforçando suas iniciativas de comunicação.
    “A Human Care atua com a comercialização de insumos importantes para idosos, famílias e instituições, que fazem parte do nosso principal público”, afirma Paula Gomes Loyola, diretora da SeniorOnline e especialista em Gestão Geriátrica pela Business School Barcelona (EADA). “Assim, a integração possibilita uma visibilidade para famílias que sentem a necessidade da institucionalização de um idoso ao mesmo tempo em que promove melhores condições para a aquisição de produtos e equipamentos específicos, o que resulta apenas em benefícios”.

    O tabu sobre o processo de envelhecimento

    Seja para idosos ou pessoas portadoras de debilidades, o processo de aceitação é uma dificuldade. Entender que é preciso ajuda para realizar tarefas simples do dia a dia é uma atividade complexa. “Ninguém quer ficar velho e, quando a idade chega, leva um tempo até se dar conta de que os anos passaram rápido. Como envelhecer é um tema repleto de tabus na sociedade, o mercado fica encoberto”, afirma Dondeo.  Para Paula, uma das principais “dores” do mercado está justamente na dificuldade de se falar sobre o processo de envelhecimento. Desta forma, a união de empresas que conhecem o público e o mercado abre mais espaço para que a temática possa ser desenvolvida.

    “Existe um tabu de discutir essa fase da vida e, naturalmente, surgem dificuldades que tornam mais complexo o convívio com a família. Então no momento em que nós trazemos uma informação relevante e confiável, damos a possibilidade de que as pessoas percebam que se encaixam em determinadas situações. Temos um papel social, cultural e que, se trabalhado em conjunto, traz mais solidez e segurança para o público consumidor”.

    E-commerce “vende” qualidade de vida

    Criada em abril de 2019, a Human Care busca facilitar o encontro de serviços e equipamentos necessários para quem está com alguma limitação, seja ela permanente, temporária devido a acidentes, física ou intelectual. A ideia surgiu a partir de uma dificuldade encontrada na oferta de artigos para o público. Assim, dentro de uma única plataforma, é possível encontrar uma variedade de produtos que vão desde EPIs, a camas hospitalares, alimentação e adaptação de imóveis para portadores de deficiência. “Qualquer tipo de limitação tem espaço em nossa loja. Pode ser alguma criança, um jovem, um idoso ou uma pessoa com deficiência visual e auditiva. Temos diversas empresas que disponibilizam equipamentos e serviços específicos para cada necessidade”. Para os próximos meses, a empresa busca ampliar as modalidades de atendimento, incluindo serviços com fisioterapeutas, nutricionistas, enfermeiros, cuidadores e outros profissionais da área da saúde. Desta forma, é possível optar um acompanhamento semanal, um cuidador para ajudar no dia a dia e fazer companhia, ou serviços específicos, como alimentação via sonda e troca de curativos. “Nossa ideia é oferecer uma assistência que seja específica para as carências de cada família, possibilitando que elas encontrem um profissional que seja adequado ao perfil que buscam. Essa conformidade entre serviço e público final, associado à facilidade de uso da plataforma, reflete em qualidade de vida a quem precisa”. Para saber mais, acesse o site da Human Care Brasil.

    Startup oferece gratuitamente dados sobre instituições para idosos

    Escolher uma casa de repouso não é uma tarefa simples. Por isso, com o objetivo de conectar famílias aos lares, a SeniorOnline disponibiliza em sua plataforma diversas facilidades que tornam o processo mais ágil e confiável, seja para uma moradia temporária ou permanente.
    Com os filtros de busca, além de dados como espaço, tipos de serviços, vagas disponíveis e valores, você pode encontrar casas que estejam de acordo com a necessidade específica do seu familiar. Desta forma, quando o idoso apresenta determinadas fragilidades ou precisa de equipamentos especializados, como camas hospitalares e alimentação enteral — ingestão de forma especial, normalmente via sonda — é possível selecionar de forma ainda mais efetiva a moradia ideal na plataforma da SeniorOnline.

    Leia mais
  • Como combater a solidão na terceira idade?

    Algumas atividades simples já podem ser suficientes para evitar o sentimento; casas de repouso são uma alternativa para convívio social com pessoas.

    Podem até parecer simples passatempos, mas manter o contato com a família, praticar exercícios físicos ou ter convívio com outras pessoas da mesma idade é fundamental para a saúde física e mental da pessoa idosa. Além de aumentar a autoestima e melhorar a qualidade de vida, os relacionamentos na terceira idade são essenciais para afastar o sentimento de solidão, comum nessa faixa etária. “A solidão humana existe em qualquer fase de vida, mas pode ser substituída por convívios sociais, trabalho e compromissos. Quando a velhice chega e não temos mais estes entornos, ela fica mais evidente,” afirma Paula Gomes Loyola, diretora da SeniorOnline e especialista em Gestão Geriátrica pela Business School Barcelona (EADA). Para evitar que o idoso se sinta sozinho ou abandonado, programas familiares e atividades cotidianas são a melhor alternativa: visitas, almoços em família, saídas e tempo de qualidade já podem ser suficientes para acabar com o sentimento negativo. “Não há necessidade que seja um programa muito elaborado. Apenas estar junto, tomar um café, deixar o idoso fazer parte de alguma rotina daquela família, mesmo que seja no final de semana. Tirar um cochilo na casa do filho após o almoço e, se possível, sair para comprar alguma coisa juntos. Todas são atividades simples, mas que fazem a diferença,” ressalta a fundadora da startup.

    Casas de repouso são alternativa

    Lares de repouso não são apenas para idosos que possuem maior nível de dependência, muito pelo contrário: além da companhia de outros moradores, funcionários e profissionais da saúde, as casas possuem um ambiente bastante dinâmico, o que favorece os relacionamentos entre pessoas da terceira idade. “Socializar faz parte do ser humano. Poder se divertir, reclamar, brincar, amar e sempre em contato com outras pessoas é importante para nos sentirmos vivos e, fazer tudo isso dentro de uma casa de repouso, é ganhar ainda mais vida,” destaca Paula. De acordo com a especialista, algumas limitações comuns da idade, como a perda da audição, visão, dificuldade de mobilidade e controle urinário podem prejudicar o convívio familiar. Por outro lado, o contato com pessoas da mesma idade pode trazer outros benefícios. “O ritmo de vida hoje costuma ser outro, e os idosos não conseguem acompanhar mais. Já em uma casa de repouso, se o idoso se dispõe a entrar no ritmo das atividades, ele pode ganhar mais ânimo, fazer outros contatos. Além disso, pode mesclar o que o lar oferece com a disponibilidade da família, que irá realizar programas exclusivos e especiais para ele. Todos esses aspectos juntos agregam em mais qualidade de vida ao idoso,” conclui.

    Leia mais